VOCÊ SABE FAZER A GESTÃO DE SUAS EMOÇÕES EM SEUS RELACIONAMENTOS PESSOAIS E INTERPESSOAIS?


Essa é uma atividade bastante desafiadora.

Com frequência ouvimos falar de “Gestão de Emoção” e o quanto isso é importante para o desenvolvimento profissional e pessoal. No Instituto Virtutis, o qual tenho oportunidade de lidar com diferentes tipos de pessoas e situações, assim como em outras atividades constantemente nos deparamos com essa necessidade. Normalmente me perguntam como consigo controlar minhas emoções.

É fato que uma das principais ações para gerenciamento de emoção é o autoconhecimento. Nossas emoções no dia a dia como: medo, alegria, tristeza, raiva entre outras nos coloca a prova em nossas atividades.

Tomando como base essas quatro emoções citadas, é interessante pontuar a importância de nos conhecermos para identificar e realizar um melhor gerenciamento delas nas diversas situações. Certamente se não nos conhecemos, a comunicação eficaz com outras pessoas e com o mundo fica bastante comprometida. Tudo isso porque não sabendo quem sou, também não identifico as emoções mais intensa ocorrente em mim mesma. De posse do autoconhecimento, consigo identificar aspectos da minha personalidade e comportamentos que interferem ou favorecem meus resultados.

É sabido que em qualquer situação, seja boa ou ruim, sou eu quem dou significado para elas. Sendo assim, é evidente que também devo assumir as consequências de minhas escolhas. Portanto, sabendo que tenho a oportunidade de dar diferentes significados para cada situação, me conhecendo fica bem mais prático gerir as emoções de forma ecológico com meu ciclo de convivência.

Falar dessa forma parece fácil quando estamos em nossa zona de conforto. Agora vamos imaginar saindo desse campo. Recentemente realizamos uma viagem em família por 30 dias pela Europa. O foco principal era estudar e comemorar nossas bodas de pratas. E é evidente que faríamos turismo também. Jamais ficamos tanto tempo juntos durante 24 horas/dia. Confesso que nas primeiras duas semanas eu estava zen, mas para o final meu maior desejo era voltar para casa. Pois, estava sendo desafiador conciliar minha percepção de realidade, ou seja, meu mapa, com os mapas de meu marido e filho, além das diversas pessoas que estávamos convivendo. Teria eu esquecido das ferramentas que aprendi para gestão de emoção? Ou será que tais companhias não estavam agradáveis? Nem uma coisa, nem outra. O fato é que somente na prática é que descobrimos como reagir a diferentes estímulos de emoções. Até o final da viagem conseguimos conviver bem. Mas, por vários momentos precisei ficar só e levou mais alguns dias após a viagem para retomar ao meu eixo, pois havia se misturado com o meu, diversos tipos de emoções. E situações como essa é passiva de conflitos constantes quando não se tem autoconhecimento. Se nós não tivéssemos vivenciado essa experiência, saberíamos como fazer a gestão de nossas emoções em caso semelhante? Provavelmente não. Se não conheço como as emoções interagem dentro de mim, certamente não estou preparada para fazer tal gestão! Faz sentido para você?

Agora lhe convido a pensar em suas emoções e sentimentos e, avaliar o que está fazendo na sua vida. As emoções estão sendo destrutivas ou construtivas? Isso te leva a tomar decisões certas ou erradas? Ou será que essas emoções estão fazendo com que você perca oportunidades de ser bem-sucedido por medo de julgamento?

Pense nisso! Escolha ser feliz!

Coach e Practitioner em PNL